HO’OPONOPONO: MÉTODO ANCESTRAL HAVAIANO PARA LIMPEZA DE MEMÓRIAS NEGATIVAS

Ho’oponopono é uma palavra havaiana que pode ser traduzida como “recolocar as coisas em ordem” ou “reestabelecer o equilíbrio”. É um processo de cura que auxilia na liberação de memórias acumuladas, de padrões e programas negativos que interferem em nossa mente e impedem o fluxo natural de bênçãos do universo em todas as áreas existenciais.

Na medida em que a memória é limpa, pensamentos de origem divina e inspiração ocupam o vazio dentro de você. A única coisa que devemos fazer é limpar; limpar todas as recordações, com quatro simples frases que abrangem tudo:

SINTO MUITO. ME PERDOE. SOU GRATO. TE AMO.

O Ho’oponopono é uma versão atualizada de uma tradição ancestral de perdão e reconciliação praticada entre os antigos havaianos há milênios. Sua metodologia original era interpessoal, onde um grupo de pessoas, era coordenado por um mediador.

Nos anos 80, a kahuna Morrnah Namalaku Simeona (sacerdotisa – guardiã do segredo), apresentou o Ho’oponopono da Identidade Própria, um processo de cura intrapessoal, que abre mão da necessidade de um mediador.

O dr. Hew Len, seguidor de Morrnah, é Pós Doutor em Psicologia e ficou mundialmente conhecido após curar “em si mesmo” uma ala inteira de pacientes com problemas mentais.

Ao ser convidado para auxiliar na cura de pacientes com graves problemas mentais, o Dr. Len aceitou o desafio, porém, ao invés de iniciar um trabalho com terapias convencionais, ele simplesmente “limpava” em si mesmo tudo o que sentia a respeito de cada paciente, na medida em que lia os prontuários psiquiátricos.

Na medida em que ele fazia a limpeza das memórias associadas àquelas pessoas, toda ala psiquiátrica ia melhorando. E não apenas as pessoas, como o ambiente físico também. E, finalmente, a ala do hospital foi fechada. Apenas dois dos pacientes não obtiveram a cura total.

O Dr. Hew Len provou através dessa experiência que toda cura é ‘auto cura’. Na medida em que melhoramos, o mundo também melhora.

Tudo o que vemos no outro também existe em nós mesmos. Ser 100% responsável implica em ter a consciência de que não podemos mudar o próximo, só podemos mudar a nós mesmos, só podemos mudar o que sentimos em cada momento em relação ao próximo e em relação a tudo o mais.

No momento em que percebemos qualquer mal-estar, seja de que ordem for (emocional ou físico) em relação a qualquer situação, pessoa, acontecimento ou lugar… Iniciamos o processo de purificação e limpeza, pedindo:

“Divino Criador, por favor, limpe em mim o que está contribuindo para esta situação.” “Purifique em mim, a forma como estou percebendo esta situação..” (pessoa/acontecimento/lugar)

Em seguida, usamos as frases de purificação repetidas vezes: “Sinto muito. Me perdoe. Sou grato. Te amo.” Pode-se alterar a sequência ou repetir alguma delas que seja mais importante no momento. O importante é ouvir a voz da própria intuição.

Quando você diz ‘Sinto muito’, está reconhecendo que algo penetrou no seu sistema corpo/mente e você quer o perdão interior pelo que lhe trouxe isso. Não importa saber o que é, você apenas quer purificar.

Ao dizer ‘Me perdoe’, você não está pedindo a Deus ou a qualquer outra pessoa (pergunta muito comum) para te perdoar, está pedindo a Deus para te ajudar se perdoar.

‘Sou grato’ é a sua expressão de gratidão por estar consciente, reconhecendo as memórias, libertando-as e libertando a si próprio dos padrões repetitivos. É a sua certeza interior de que tudo está sendo resolvido para o bem maior de todos envolvidos.

‘Te amo’ transmuta a energia bloqueada (que é o verdadeiro problema) em energia fluindo e religa você ao Divino.

Enquanto persistirem os sentimentos de mal estar, deve-se continuar limpando e purificando até que, em determinado momento, consegue-se sentir uma paz indizível. O que chamamos de a ‘Paz do Eu’.

Assim como temos que fazer a nossa higiene corporal diariamente, também temos que fazer a nossa higiene mental diariamente, continuamente e determinadamente. Só temos que escolher entre a memória ou a inspiração e para receber a inspiração, temos que fazer a limpeza. Simples assim.

“Nosso maior medo não é sermos inadequados. Nosso maior medo é não saber que nós somos poderosos, além do que podemos imaginar. É a nossa luz, não nossa escuridão, que mais nos assusta. Nós nos perguntamos: Quem sou eu para ser brilhante, lindo, talentoso, fabuloso? Na verdade, quem é você para não ser? Você é um filho de Deus! Você, pensando pequeno, não ajuda o mundo. Não há nenhuma bondade em você se diminuir, recuar para que os outros não se sintam inseguros ao seu redor. Todos nós fomos feitos para brilhar, como as crianças brilham. Nós nascemos para manifestar a glória de Deus dentro de nós. Isso não ocorre somente em alguns de nós; mas em todos. Enquanto permitimos que nossa Luz brilhe, nós, inconscientemente, damos permissão a outros para fazerem o mesmo.”

O texto acima é de Marianne Williamson, e foi utilizado por Nelson Mandela em seu discurso de posse como presidente em 1994.

Quando nós nos libertamos do nosso próprio medo, nossa presença automaticamente libertará outros. Vamos limpar o medo de brilhar? Como diz Suryavan Solar, fundador de Condor Blanco: Levanta e brilha, caralho!!!

Referências bibliográficas:

Ho’oponopono: Alegria da Alma – Compilado por Regina Tavares

Ho’oponopono para todos os dias – Maria-Elisa Hurtado-Graciet

Categorias: